Vencem os mais fortes

20 de março de 2018

ELEIÇÕES ITALIANAS 2018, UM MÉTODO QUE PREMIA OS MAIS FORTES, NEM SEMPRE OS MELHORES.

 

Ainda sem termos os resultados finais do escrutínio de 100% das urnas das eleições ao Parlamento Italiano, para os nossos representantes da América do Sul, cuja apuração ficou suspensa quando faltavam pouco mais de 30 urnas a serem apuradas, sendo 15 ao Senado e 16 à Câmara dos Deputados, dá-se como certa a eleição para a Câmara, de 1 representante de cada partido/legenda mais votados proporcionalmente, ou seja, 1 para a USEI (Sangregorio – 35.923 votos), 1 para o MAIE (Borghese – 26.184 votos), 1 para a Lega/FI (Lorenzato 11.106 votos) e 1 ao PD (Longo – 8.906 votos). Já para o Senado, 1 vaga para o MAIE (Merlo – 52.739 votos) e outro para a USEI (Cario – 21.868).

 

Evidente a surpresa com a não eleição de Fabio Porta (desde 2008 como mais votado no PD para a Câmara na América do Sul), cuja estratégia de disputar o Senado foi prejudicada pela estranha e surpreendente votação obtida pela lista USEI, com o ainda desconhecido uruguaio/argentino Adriano Cario, resultado que foi rapidamente contestado pelo próprio Fabio Porta e que aguarda  julgamento de recurso por ele apresentado junto à Corte d'Appello de Roma, quando a soma de mais de 10.000 (dez mil) votos estariam sob suspeita de serem, de alguma forma, desviados dos eleitores e sequencialmente votados em favor dos candidatos USEI, como amplamente noticiado recentemente e, evidentemente, todos nós, que atuamos com lisura e respeito às regras em todas as eleições, não aceitamos e exigimos rigorosa e definitiva apuração, com a punição dos culpados em qualquer fraude que tenha sido cometida.

 

Ainda, a candidata e ex-deputada Renata Bueno que, não obstante todos os recursos milionários investidos, e-mails e mensagens enviadas a todos os eleitores, não conseguiu obter o coeficiente eleitoral necessário de sua lista de última hora, ligada à ex-ministra italiana da Saúde, Lorenzin, denominada Civica Popolare, que não elegeu ninguém, nem mesmo na Itália. Uma grande surpresa pelo que se imaginava estar em jogo para a candidata e que certamente não estava disposta a abrir mão, diante da grande visibilidade que o cargo lhe trouxe nos últimos 5 anos, mesmo sem nenhum resultado para a nossa grande comunidade italiana no Brasil.

 

Sem sabermos os resultados finais – que podem aumentar com a soma de milhares de votos ainda não apurados aos candidatos em disputa – podemos indicar algumas peculiaridades que o sistema eleitoral apresenta, no que tange aos candidatos ítalo-brasileiros melhor colocados na eleição e o resultado final, com a soma parcial dos votos obtidos e a eleição ou não, conforme abaixo:

 

SENADO

FABIO PORTA                     PD             19.965

LUIZ PASTORE                    Lega/FI     14.815

HELENA MONTANARINI   CP                9.945

LUCIANA LASPRO              Maie            9.059

FERNANDO TREZZA          CP                5.025

ANTONIO CHIANELLO      Maie            4.916

SILVANA RIZZIOLLI            LU                4.494

ANFREA DORINI                Lega/FI         3.375

EVALDO VICENTINI           USEI              2.989

 

CÂMARA

RENATA BUENO                 CP               14.250

LUIS MOLOSSI                   Maie          12.677

LUIZ LORENZATO               LEGA/FI      11.106      ELEITO

FAUSTO LONGO                 PD                8.906       ELEITO

WALTER PETRUZZIELLO    Maie             6.699

FABIO VICENZI                    PD                 6.263

WALTER MAIEROVICZ        LU                 5.519

PASQUALE MATAFORA      PD                4.740

DANIEL TADDONE              UNITAL        4.088

THIAGO ROLDI                    UNITAL        3.876

SILVIA ALCIATI                     CP                 2.856

SIMONE SEHNEM               CP                 2.295

ANTONIO LASPRO              MAIE            2.080

ELAINE STARLING               CP                 2.078

CESARE VILLONE                 Lega/FI        1.883

 

Evidente que não existe eleição fácil, que os resultados refletem diversas circunstâncias do momento eleitoral em que vivemos, de pouca ou nenhuma informação dos eleitores, das falhas do sistema de votação que exclui eleitores interessados e permite que os desinteressados sejam, de formas até criminosas, transformados em eleitores de alguns candidatos que tiveram meios de acesso aos envelopes e, até votaram por eles às dezenas de milhares, como está sendo denunciado e apurado em Roma. E não foi apenas nesta última eleição que isso ocorreu e nada foi feito para que este tipo de fraude fosse evitado. Então os fortes, não só de recursos financeiros e estrutura, e inescrupulosos, que não tem receio de cometer ilícitos, acabam por ser privilegiados e, alguns deles, até eleitos... Aos escolhidos de acordo com as regras e com o voto lícito dos nossos cidadãos, como é o caso dos nossos representantes ítalo-brasileiros, nosso respeito e desejo de bom trabalho, mesmo que o cenário seja bem pessimista. Resta saber o que farão doravante a favor dos cidadãos ítalo-brasileiros. E nós estaremos de olho, porque são milhares que nos confiaram o voto e exigem que estejamos sempre IN MOVIMENTO!

 

Deixe sua opinião

Enviando formulário…

O servidor encontrou um erro.

Formulário recebido.